domingo, 30 de junho de 2013

Victor Silva Barros

Victor Silva Barros*
serigrafia
27x44 cm
175,00€

Ausência

Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus
                                                                            [braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

Carlos Drummond de Andrade
in 'O Corpo'


Está representado em colecções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Brasil, Holanda, Suíça, Alemanha, Bélgica, Estados Unidos e Rússia.

Individualmente apresentou mostras nos Museus de Ovar, Albano Sardoeira, Amarante, Martins Sarmento, Guimarães, Ramón Maria Aller, Lalin, e nas Galerias Picasso e 1990 d.c., Viana do Castelo, Árvore, Porto, Primeiro de Janeiro, Porto e Coimbra, Capitel, Leiria, Turismo, Caldelas, Povoa de Varzim, Chaves, Aveiro, Casa da Cultura, Fafe, Horizonte, Figueira da Foz, Convés, Aveiro, Orfeu, Androx e Caixa Vigo, Diputación Provincial de Lugo, Casa da Cultura de Orense, Centro Unesco, Porto, …
Em 1991, o Museu dos Biscaínhos de Braga dedica-lhe uma retrospectiva da obra dos anos 80.

Colectivamente participa em mostras em Viana do Castelo, Porto, Lisboa, Aveiro, Vila Nova de Famalicão, Ibiza, Bilbao, Burgos, Vigo, Santander, Valladolid, Madrid, Monte-Carlo, Tóquio, Okinawa, nara, fukuoka, Iangeac, Brioude, Rion, Chatel-Guyon, Puy-en Velay, Paris, Quebec, etc., salientando-se:

1981: “Inaugural Exhibition of the Japan International Artists Society”, Art Museum, Tóquio, “XV e XVII Grand Prix International d’Art Contemporain”, Monte-Carlo, “Biennale International Quebec/France”, Galerie Anima G, Quebec, “Ibizagrafic 74”, Museo de Arte Contemporaneo de Ibiza, “El Colectivo Androx”, Galeria Arlazon, Burgos e Galeria Millares, Madrid, “Salão dos Independentes, Paris, “Exposition International de Paris”, Galerie de Nesle, Paris, “IX Hall aux Toiles” Mairie du VI arrondissement, Paris, “I e II Exposições Colectivas da Cooperativa àrvore”, Porto, “Biennale International d’Auvergne”, Chatel-Guyon, “Arte Nuevo – Años 90”, Centro Cultural Galileo, Madrid, “II Prémio de Pintura Eixo Atlântico, “Casa das Artes, Vigo – itenerante Portugal, Galiza.

Entre 1968 e 1977 colabora em vários jornais nacionais com contos, poesia, textos teóricos e crítica de arte e trabalha igualmente como redactor nos jornais “República” e “Página Um”.

Foi co-fundador e director técnico das galerias Picasso e 1990 d.c. de Viana do Castelo e integrou júris de premiação da I a II Trienal Latina (Viana do Castelo e Puy-en-Velay.

Integrou os Colectivos “Androx” (Galiza) e 1990 d.c., de que foi coordenador.

Em 1988 publica “On Road”, colecção de textos de sua autoria inseridos em catálogos entre 1969 e 1988. 

EXPOSIÇÕES RECENTES
2011
INDIVIDUAIS
Auditório Municipal
Vila do Conde
“Pequenos Formatos e duas ou três Coisas Mais”
Arte do Tempo, Viana do Castelo
“Coisas no Vento”
Galeria de Exposições Temporárias
Museu Municipal, Resende
Biblioteca Municipal
Felgueiras
COLECTIVAS
Irene Costa - Victor Silva Barros
Galeria Municipal - Caminhense
Caminha
2ºs Encontros Internacionais de Arte ao redor do Touro
Centro Cultural, Sousel
“D’Art-Vez 2011”
Casa das Artes, Arcos de Valdevez
Salão Internacional de Artes Plásticas do Alto Alentejo
Centro Cultural, Sousel





sábado, 29 de junho de 2013

Yolanda Carbajales


Yolanda Carbajales
“Orquídeas”
gravura
24x20 cm
150,00 €


" Orquídea "

Está em teu corpo, como a flor
sobre o abismo
presa ao ramo oscilante
num aceno de vida ou de morte.

Flor de sombra e mistério, nascida
em teu corpo,
velada, escondida,
rara orquídea na penumbra da mata
entre réstias de sol.

Diante dela me ajoelho, como num altar,
deslumbrado de vê-la,
e quero então alcançá-la...
e a alcanço sempre,
sem colhê-la...

Flor de sombra e mistério
flor de nuvens e de algas
flor de líquenes
que me atrai,
que colho sempre... me deslumbra
e foge,
e de repente, se esvai.. .


JG de Araújo Jorge

Licenciada en Bellas Artes. Especialidad: Diseño y Audiovisual. Universidad de Salamanca, 1991. Miembro del: TALLER EXPERIMENTAL DE GRÁFICA (Vigo, 1996/2000),COLECTIVO GRAPH y ARGA (Asociación Nacional de Artistas Plásticos Galegos). Ha realizado desde 1989 en numerosas exposiciones individuales y colectivas en España y otros países (Portugal, Inglaterra, Suecia, Francia, Italia, Polonia, Marruecos, Argentina,...) siendo seleccionada en distintos eventos artísticos. Desde 1992 viene obteniendo PREMIOS tanto nacionales como internacionales dentro del mundo del grabado y del diseño gráfico. Por citar algunos en los últimos años: Mención Honorífica I Bienal Internacional de Grabado de Contratalla (Tarragona, 2002); 2º Premio Salón Internacional Gran Premio La Mujer en el arte Galería de Las Naciones-Arte Internacional. (Buenos Aires, 2003); 1º Premio Obra Gráfica 1º Salón Internacional ACEA´S Pequeño Formato y XIII Salón Internacioanal ACEA´S (Barcelona, 2003); 1º Premio II Bienal Internacional de Grabado de Contratalla (Tarragona, 2004); 1º Premio Obra Gráfica 2º Salón Internacional ACEA´S Pequeño Formato y 2º Premio Grabado XIV Salón Internacional ACEA´S de Artes Plásticas (Barcelona, 2004); Mención Honorífica Grabado XXXIII SALON DU VAL D’OR (Meillant, Francia-2005);1º Premio XII Premio Internacional de Grabado “Villa de Cebreros” (Ávila, 2005); Artista galardonada en Modalidad Gráfica “Premio Web Color Kleinos” (Italia, 2005);1º Premio Exlibris IV Centenario del Quijote, III Bienal de Contratalla (2006); Mención Especial Grabado, Trienal Iberoamericana de Grabado Pequeño Formato Xylon Argentina (2006); Parchermin d’Honneur L’Association Mouvent Art Contemporain de Chamalières, Auvergne-Francia (2006); Mención de Honor Grabado. Conectarte International Art Contest 2007; Accésit Concurso Pintura. Premio A.M.A Colegio Oficial de Médicos de Pontevedra (2008); Diploma de Honor. Exposition Europeenne 2009. Brugge (Belgique)(2009);Ganadora en X Premi de Gravat Ciutat de Lleida (2009)....Su obra está representada en el país y extranjero, en distintas colecciones, públicas y privadas: Colección Museo Diocesano de Tui (Pontevedra), Colección Caja de Ahorros de Ávila, Entidad Els Catòlics d’Olot de Girona, Fundación Antonio Pérez de Cuenca, Casa-Museo del poeta Javier de la Rosa en Agaete (Gran Canaria), Museo del Grabado Castillo de los Paleólogos de Acqui Terme (Italia), Archivo de Grabadores Contemporáneos de la Biblioteca Nacional (Madrid), etc.

Felipe Alarcón Echenique


Felipe Alarcón Echenique*
Monotipia de mi Habana (II)”
Serigrafia
100x70cm
2006
150,00€



Ella no regresará jamás.
Un día, tu reconocerás su mundo inhabitable,
verás cuadros oscuros pintados por un amigo sin nombre,
el mismo que te dará libros y fotos.
Luego aprenderás a leer
o a aprenderte las palabras de memoria
que es como leen los niños al principio ...


Zoé Valdés
*
Pintor, Grabador, Dibujante y escritor.
Nació en Ciudad de la Habana, el 21 de Marzo de 1966.
Graduado en la Academia de Bellas Artes “San Alejandro”.
Fundador de la Cátedra de Educación Artística (1987).
Impartió clases como profesor de Artes Plásticas (1987-1995 en Primaria y Secundaria Básica).

Cursó estudios en el Instituto Superior de Arte José Varona (1995-1998) en Licenciatura de Educación Artística.

Estudio-Taller 1996-1997 C/Obispo, La Habana (Cuba).
Web: www.f-alarcon.com www.estamparte.com/felipe/


Principales Premios

2006 - Premio de Honor Artista Latino, Galería Artexpresión (Miami).USA

- Primer Premio de Dibujo de la A.E.P.E (Asociación Española de Pintores y Escultores de Madrid) en el Certamen Lorenzo Aguirre.Madrid (España).

2005 - Mención de Honor, Revista Iberoamericana de Arte de USA. Miami, Florida. (USA).
- Tercer Premio de Dibujo en el Primer Certamen de Valdescorriel, Zamora (España).
- Mención de Honor de The Cove Rincón Int’l. Miami, Florida. (USA).
- Segundo Premio de AEPE (Asociación Española de Pintores y Escultores de Madrid) en el Certamen de Artes Plásticas ‘Tema Quijote’, Madrid (España)
2004 - Primer Premio de AEPE (Asociación Española de Pintores y Escultores de Madrid), en el Certamen de Pintura ‘Tema Dalí’. JuntaMunicipal de Arganzuela, Madrid (España).
- Primer Premio al Artista Extranjero en el II Salón Internacional de Pequeño Formato en ACEAS (Federación Internacional de Artistas Plásticos de Barcelona) España.
2003 - Gran Premio en el XIII Salón Internacional de ACEAS (Federación Internacional de Artistas Plásticos de Barcelona), España.
- Premio Alfonso Arana. Asociación Internacional de Plástica Latina. Francia.
- Primer Premio de Técnica Mixta en el I Salón Internacional de Pequeño Formato en ACEAS (Federación Internacional de Artistas Plásticos de Barcelona), España.
- Primer Premio de Dibujo Creativo en el XII Salón Internacional de ACEAS (Federación Internacional de Artistas Plásticos de Barcelona), España.
1999 - Finalista del LXVI Salón de Otoño de Madrid. Madrid (España).
1998 - Premio Copa Zeus. Roma (Italia).
1996 - Finalista del Salón Fayad Jamis. Casa de la Cultura de Alamar, La Habana (Cuba).
1987 - Premio 150 Aniversario de Máximo Gómez. Museo de la Ciudad, La Habana (Cuba).

1983 - Premio Salón San Alejandro. Escuela de Bellas Artes, La Habana (Cuba).

1981 - Mención Salón San Alejandro. Escuela de Bellas Artes, La Habana (Cuba).
1977 - Premio por la Solidaridad. Embajada de la Unión Soviética, La Habana (Cuba).
1975 - Premio por la Paz. Embajada de la India, La Habana (Cuba).
- Premio Tránsito. P. N. R. La Habana (Cuba).

Ariosto Madureira

Ariosto Madureira*

Serigrafia
53x25 cm
230,00 €

Poema do Homem Só

Sós,
irremediavelmente sós,
como um astro perdido que arrefece.
Todos passam por nós
e ninguém nos conhece.

Os que passam e os que ficam.
Todos se desconhecem.
Os astros nada explicam:
Arrefecem

Nesta envolvente solidão compacta,
quer se grite ou não se grite,
nenhum dar-se de outro se refracta,
nehum ser nós se transmite.

Quem sente o meu sentimento
sou eu só, e mais ninguém.
Quem sofre o meu sofrimento
sou eu só, e mais ninguém.
Quem estremece este meu estremecimento
sou eu só, e mais ninguém.

Dão-se os lábios, dão-se os braços
dão-se os olhos, dão-se os dedos,
bocetas de mil segredos
dão-se em pasmados compassos;
dão-se as noites, e dão-se os dias,
dão-se aflitivas esmolas,
abrem-se e dão-se as corolas
breves das carnes macias;
dão-se os nervos, dá-se a vida,
dá-se o sangue gota a gota,
como uma braçada rota
dá-se tudo e nada fica.

Mas este íntimo secreto
que no silêncio concreto,
este oferecer-se de dentro
num esgotamento completo,
este ser-se sem disfarce,
virgem de mal e de bem,
este dar-se, este entregar-se,
descobrir-se, e desflorar-se,
é nosso de mais ninguém.


António Gedeão

*
Ariosto Madureira, radicado em Vila Nova de Gaia.

Espiga Pinto


Espiga Pinto*
“Mapa da Memória Lusíada Canto X”
Serigrafia
1994
36,5x36,5cm
350,00 €

Esta luz é do fogo e das luzentes
Armas com que Albuquerque irá amansando
De Ormuz os Párseos, por seu mal valentes,
Que refusam o jugo honroso e brando.
Ali verão as setas estridentes
Reciprocar-se, a ponta no ar virando
Contra quem as tirou; que Deus peleja
Por quem estende a fé da Madre Igreja.

Camões

*
Escultor-Pintor ESPIGA (Pinto), nasceu em 1940, Vila Viçosa.
Expõe desde 1955, tendo já realizado 80 Exposições Individuais e participado em inúmeras Exposições Colectivas, tendo obras em colecções particulares, em Portugal, Espanha, Inglaterra, França, Estados Unidos...
Prémios:
– Prémio Bienal de São Paulo, Brasil, para cenários do Bailado Gulbenkian, 1973.
– Prémio de Pintura da Academia de Belas Artes de Lisboa, 1987.
– Prémio “Coty” – U. S. A. – “Coin Of The Year”, 2000 – A Melhor Moeda (Comemorativa do Planeta Terra).
– Prémio (Concurso Europeu), para criação do Troféu “50° Aniversário da Regata Internacional dos Grandes Veleiros” – Antuérpia e Lisboa, 2006.
De 1979 a 87 foi Professor de Desenho no IADE – Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing, Lisboa.
Sócio da F.I.D.E.M. – Federação Internacional da Medalha.
Académico da Academia Nacional de Belas Artes de Lisboa.
Em 2005 comemorou “50 anos de exposições individuais”.
Representado em:
C.A.M. – Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa;
Museu de Arte Contemporânea, Lisboa; Museu do Desporto, Lisboa...

Ainda era menino quando chegou à pintura. Homem determinado e invulgar, pinta como quem beija. Entrega-se total e perdidamente.
Do Alentejo, onde nasceu, revelador de uma intuição e sensibilidade apuradíssima, vem afirmando a solidez e a singularidade de um percurso que começa e termina na busca e apreensão dos possíveis sentidos da existência.
Memórias de Inês é uma belíssima temática que fixa as trágicas vicissitudes de uma das mais belas e comoventes histórias de amor da Idade Média, aqui contada (cantada) por este ilustre pintor com rigorosa fidelidade à sua memória e grandeza, dando-nos, assim, a exacta dimensão cultural e humana da histórico-lendária personagem. Seguramente que estas peças vão suscitar ou sublinhar pontos de reflexão sobre a especificidade do tema.


O amor, símbolo de continuidade e regeneração, adquire nesta sequência pictórica o seu verdadeiro significado, ou não fosse ele o mais profundo e distintivo elan da humanidade. Aqui, se sente a sua pulsação, em perpétuo movimento regenerador e em variações cromáticas sintonizadas, numa articulação harmoniosa e contínua entre a Terra e o Universo.



O tempo reflecte-se na obra de Espiga, sobretudo na medida em que resiste ao seu poder envolvente, em que lhe opõe uma linguagem pictórica deslumbrante e corajosamente assumida. A memória revela-se essencial para a lenta penetração no imaginário de deuses e anjos...



Inês personifica a heroína trágica de um dos mais célebres episódios amorosos do Ocidente, senão de toda a história da humanidade, sobrelevando em paixão, fatalidade e dramaticidade outros casos similares, como os de Abelardo e Heloísa ou Dante e Beatriz.. A pele de Inês é de uma perfumada e acetinada suavidade. Espiga decora a cor dos seus olhos; contorna, sem ruído, a doçura de seu corpo.

Falamos dos períodos claros, iluminados.
Mas falamos também dos períodos ocultos dessa mesma juventude, de certas dissimulações operadas sobre certos factos, certos sentimentos. Tudo é arrastado pela tempestade profunda e vertiginosa da corrente interior; tudo fica suspenso à superfície, qual força impetuosa de um rio.
Estamos perante mais uma obra-prima de um dos mais geniais (não tenhamos medo das palavras) mestres da pintura portuguesa contemporânea.
A espantosa força lírica e formal da sua pintura exponencia um potencial absoluto de ritmo, cor, rigor, encantamento; de atractivo e fascínio.
A pintura é para ser fruída; para partilhar a criatividade, esse genesíaco exercício de interioridade, tendo por instrumentos as fibras da sensibilidade e a espora mágica da memória.
Instrumentos que, pela mão predestinada do artista, reanimam a figura grácil e desventurada daquela que, no dizer do poeta, depois de morta foi rainha.


Espiga fascina-nos com toda esta sublime grandeza: o mito, a obsessão de Inês nos sonhos de Pedro, o brasão, o ambiente gótico e a chave. A chave de toda esta maravilha move-se na rigorosa e complexa teia geométrica do Pintor.



(Texto publicado no Catálogo da Exposição de Pintura e Escultura - Memórias de Inês, de Espiga Pinto, em Julho de 2001)

in Três Rios Abraçam o Coração


António Sampaio

António Sampaio*
"Espantalho crucificado"
Serigrafia
39x49 cm
450,00 €


O Maestro Sacode a Batuta

O maestro sacode a batuta,
A lânguida e triste a música rompe ...

Lembra-me a minha infância, aquele dia
Em que eu brincava ao pé dum muro de quintal
Atirando-lhe com, uma bola que tinha dum lado
O deslizar dum cão verde, e do outro lado
Um cavalo azul a correr com um jockey amarelo ...

Prossegue a música, e eis na minha infância
De repente entre mim e o maestro, muro branco,
Vai e vem a bola, ora um cão verde,
Ora um cavalo azul com um jockey amarelo...

Todo o teatro é o meu quintal, a minha infância
Está em todos os lugares e a bola vem a tocar música,
Uma música triste e vaga que passeia no meu quintal
Vestida de cão verde tornando-se jockey amarelo...
(Tão rápida gira a bola entre mim e os músicos...)

Atiro-a de encontra à minha infância e ela
Atravessa o teatro todo que está aos meus pés
A brincar com um jockey amarelo e um cão verde
E um cavalo azul que aparece por cima do muro
Do meu quintal... E a música atira com bolas
À minha infância... E o muro do quintal é feito de gestos
De batuta e rotações confusas de cães verdes
E cavalos azuis e jockeys amarelos ...

Todo o teatro é um muro branco de música
Por onde um cão verde corre atrás de minha saudade
Da minha infância, cavalo azul com um jockey amarelo...

E dum lado para o outro, da direita para a esquerda,
Donde há árvores e entre os ramos ao pé da copa
Com orquestras a tocar música,
Para onde há filas de bolas na loja onde a comprei
E o homem da loja sorri entre as memórias da minha infância...

E a música cessa como um muro que desaba,
A bola rola pelo despenhadeiro dos meus sonhos interrompidos,
E do alto dum cavalo azul, o maestro, jockey amarelo tornando-se preto,
Agradece, pousando a batuta em cima da fuga dum muro,
E curva-se, sorrindo, com uma bola branca em cima da cabeça,
Bola branca que lhe desaparece pelas costas abaixo...


Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

*
1916 – Nasce em V. N. Gaia, António Assunção Sampaio;
1932 – Colabora com outros jovens artistas na Exposição Colonial Portuguesa;
1941 – Realiza no antigo salão “Silva Porto” a sua 1ª exposição;
1942 – Participa juntamente com Augusto Gomes e outros artistas na VII Missão Estética em Bragança;
1944 – Finaliza o Curso de Pintura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto, onde foi aluno bolseiro e Prémio “Rodrigues Soares”. Ainda estudante fez parte do “Grupo dos Independentes”;
1948 – Em França frequenta a Escola de Belas Artes de Paris, aprendendo a técnica de fresco sob a orientação de Duco de la Haix e as academias “Grand Chaumière” e “Julien” e o Atlier do Pintor André Lothe.
Faz várias exposições individuais no país, na Inglaterra, nos Estados Unidos e participa em quase todas as Bienais de Arte Moderna.
1954 – Funda juntamente com Jaime Isidoro a “Academia e Galeria Domingos Alvarez”;
1954/55 – Orienta a Escola de Cerâmica de Viana do Castelo;
Durante treze anos foi professor na Escola de Artes Decorativas Soares dos Reis, no Porto.
Prémios:
1945 – “António Carneiro” 2º Prémio de aguarela na Exposição dos Artistas Metropolitano em Angola, Medalhas da S. N. B. A.;
1952 – “Henrique Pousão” Menção Honrosa (cerâmica) 2ª Exposição de “Arte Moderna” de Viana do Castelo. Medalha de prata no 1º Salão do Algarve, entre outros;
Está representado no Museu Soares dos Reis, Museu Abade de Baçal, Museu de Amarante, Museu da Guarda, Museu de Ovar, Turismo de Matosinhos, e em várias colecções e galerias particulares portuguesas, espanholas, francesas, holandesas, dinamarquesas, norueguesas, norte-americanas, inglesas e brasileiras.

Armando Alves

Armando Alves
“Justiça”
Serigrafia
52x35 cm
275,00 €

Armando Alves, 1935
Natural de Estremoz viria a realizar a sua actividade na cidade do Porto. Formou-se na ESBAP com vinte valores e aqui foi professor entre 1962 e 1973. Em 1964, com uma bolsa da F.C.G. seguiu para Londres em viagem de estudo. A sua saída da Escola implicou uma dedicação às artes gráficas, área em que tem desenvolvido uma intensa actividade. Foi um dos elementos do grupo "Quatro Vintes" com José Rodrigues, Jorge Pinheiro e Ângelo de Sousa, em 1968. Tendo começado por uma figuração que pode aproximar-se do universo neo-realista, representando motivos do meio alentejano do trabalho, optou seguidamente, e nisso acompanhando quase todos os seus colegas de geração por um informalismo matérico que desenvolveu nos anos 60. A década seguinte é de grande experimentação, associada ao rigor e à definição que as artes gráficas emprestam, marcada por uma exploração do signo "arco-íris" e pela construção de objectos pintados, depurados e contidos. A partir dos anos 80 retoma os valores da paisagem, tornando-se o Alentejo quase omnipresente, mas completamente transformados pela experiência adquirida. As suas obras oscilam então entre "janelas" rigorosamente delimitadas na tela e áreas mais revoltas e de maior riqueza matérica. Exposições: - INDIVIDUAIS: 1964 - ESBAP / 1965, 85, 93 - Cooperativa Árvore, Porto / 1973 - Galeria Dois, Porto / 1978 e 1981 - Galerias do Jornal de Notícias, Porto / 1985 - Museu dos Biscaínhos, Braga / 1987 - Galeria Nasoni, Porto / 1989 - Galeria Fonte Nova , Lisboa / 1990 - Galeria Nasoni, Lisboa / 1995 - Galeria Degrau Arte, Porto / 1996 - Galeria Fernando Santos, Porto - COLECTIVAS: 1956 - x Exposição Geral de Artes Plásticas, Lisboa / 1957 - I Exposição de Artes Plásticas da F.C.G. / 1958 - 11 Pintores na Galeria Abril, Madrid / 1960 - Exposição de Arte Moderna em Amarante / 1961 - Exposição de Arte Portuguesa, Antuérpia ; II Bienal de Paris; Exposição de Artes Plásticas da queima das Fitas, Coimbra / 1963 - Exposição Inaugural da Cooperativa Árvore / 1966 - Exposição da BCG em Bagdad / 1967 - Exposição inaugural da Galeria Divulgação / 1968 - " Os quatro vintes " , Galeria Alvarez, Porto / 1969 - " Os quatro vintes", Galeria Zen, Porto / 1970 - "Os quatro vintes", Galeria Desbrières, Paris / 1975 - Levantamento da Arte do Séc. XX no Porto, MNSR, Porto / 1982 - Aspectos da Arte Abstracta, SNBA, Lisboa / 1984 - 15 Artistas Portugueses, Alemanha; IV Bienal de Cerveira / 1986 - Arte Portuguesa em Bordéus / 1986 e 87 - ARCO, Madrid / 1987 - FIAC, Paris / 1992 - 100 Anos de Arte no Porto, Árvore / 1995 - ESBAP/FBAUP, Alfândega do Porto. Colecções: Museu Nacional Soares dos Reis, Porto / BCG, Lisboa / Câmara Municipal de Matosinhos Bibliografia Passiva: Aproximação ao Silêncio, Porto, Galeria Nasoni, 1987 / Armando Alves, Porto, Galeria Jornal de Notícias, 1978 / PERNES, Fernando - Catálogo de Exposição, Porto, Jornal de Notícias, 1978 e 1981 / PERNES, Fernando - Catálogo de Exposição, Porto, Cooperativa Árvore, 1985 / Quatro (Os) Vintes, O Oiro do Dia, 1985

Alberto Ulloa

Alberto Ulloa
"Machado Guerra"
Serigarfia
39x56,5 cm
750,00 € 



Nasceu em Altamira, Puerto Plata, em 1950. Estudou pintura na Escola Nacional de Belas Artes, graduando-se em 1974. Foi aluno de Jaime Colson e de Domingo Liz. Com Cuevas, Montilla, e Kuma formou um grupo pictórico. Nesse mesmo ano obteve distinções e primeiros prémios pela sua qualidade e fecundidade artística. Em 1975 a Secretaria de Estado de Educação do país concede-lhe bolsa Abelardo Rodríguez Urdaneta para aprofundar os seus estudos na Escola de S. Fernando, de Espanha. Em 1977 mereceu o título de professor de Artes Plásticas da Real Academia de S. Fernando. Terminados os estudos, começou a ensinar pintura mural na mesma Academia e Historia da Arte e das Ideias Estéticas na Universidade Complutense. De 1976 a 1987 realizou doze exposições pessoais. A última teve lugar no Centro de Arte "Sebelén", em 1987. Em 1973 obtém o prémio Escola Nacional de Belas Artes, Santo Domingo. Funda com Alonso Cuevas, Monti ¡la, Héctor y Kuma o "Grupo 6". Em 1975 conquista o segundo prémio de pintura no Colegio Hispanoamericano, Madrid. Em 1978 o prémio Adaja, Avila, España. Em 1979 primeiro prémio de pintura XIV Bienal de Artes Plásticas, Santo Domingo. 
Alberto Ulloa foi nomeado cônsul dominicano em diversos países.

António Carmo

António Carmo
"Ceifeira"
Serigrafia
67x47,5 cm
600,00 €



ANTONIO CARMO atingiu a sua plena maturidade como pintor. Nascido no coração de Lisboa em 1949, optou, de uma vez por todas, pelo amor e pela música. Os casais que ele representa através da sua pintura oferecem-se flores mutuamente, enlaçam-se ou dormem no meio de uma vegetação luxuriante, da qual emerge o sonho daquela "casinha" que todos desejam vir a ter. O artista nunca dramatiza uma situação, e se a tristeza surge, a música desvanece-a, e tudo se transforma. Na Bélgica, o artista é conhecido desde 1986 (uma primeira exposição inaugurada numa cidade paralisada por uma greve); as suas obras apareceram em diversos museus, desde Viseu a Tóquio e Rabat, embora permaneça um artista que tem sempre qualquer coisa a dizer a cada um.Sem utilizar um discurso sobre questões sociais, sugere, no entanto, num ângulo da tela, uma referência ao mundo que podia existir mas que não existe, a um mundo de paz e amor para todos os povos, independentemente da raça e da religião. As mulheres fortes são as verdadeiras estrelas dos seus quadros, e são mulheres fortes e saudáveis, não uma simples quimera, mas mulheres bem reais que cantam, escrevem ou trabalham no campo. Carmo cria uma imagem popular da vida porque ele ama a celebração da vida, fazendo-o em tons frutados, ricos de seiva. Tanto na serigrafia como na pintura, as histórias que nos conta são as mesmas, prenunciando-nos na Primavera, como um desejo ou uma oferenda, o Verão esplendoroso que se avizinha

Luís Soares

Luís Soares
Serigrafia
35x26cm
125,00€


1952.Luís Soares nasce a 22 de Agosto em Lourenço Marques, ( hoje Maputo ) Moçambique. Descendente de colonos, desde muito cedo bebe a mistura branca, negra e asiática caracterís-
tica do Moçambique de então.
Essas vivências culturais e estéticas marcaram profundamente a sua vida artística.
1959.Vem pela primeira vez à Europa, visitando a Espanha ( Sevilha ) e Portugal.
1960 Regressa a Moçambique via Egipto, Mar Vermelho, Mombaça, Zanzibar e Dar-es-Salaam.
1964. Autodidacta, desde muito novo se dedica ao desenho, pastel, aguarela e guache. Tem como professor no liceu o artista António Heleno, que o entusiasma definitivamente pelo desenho, tirando a nota anual de 19. 1966.Volta a Portugal via Cabo, Moçâmedes, Lobito, Luanda e Las Palmas. Fixa-se em Lisboa, com seus pais e irmão, e ingressa no Colégio Vasco da Gama, em Sintra.
1967.Visita a Inglaterra, Escócia, Marrocos, e regressa a Moçambique.
1968.Frequenta cursos de desenho na Escola de Desenho e Pintura do Núcleo de Arte de Lço. Marques, e aí executa os seus primeiros trabalhos a óleo. Expõe obras suas, psicadélicas, na Bússola.
1969.Dá a sua primeira entrevista a um jornal, o " Notícias " de Lourenço Marques, sobre o tema " Existencialismo ". Ingressa, como aluno, no Colégio Nun'Alvares de Tomar - Portugal. Aí executa grandes
painéis alegóricos e placas comemorativas para figurarem na festa dos tabuleiros. Faz a medalha e placa dos finalistas e colabora no jornal destes, onde vê, pela primeira vez, trabalhos seus publicados.
Decora montras em lojas de Tomar.
1971.Regressa a Moçambique. Começa a trabalhar como praticante e mais
tarde como ajudante de despachante oficial. Estuda à noite.
1973.Vai trabalhar como bancário. Ai encontra colegas que se interessam pelo seu trabalho, e dedica-se à fotografia. Conhece o pintor João Aires, que se interessa pela sua obra.
1974.Executa as primeiras encomendas de murais para casas particulares. Faz a sua primeira grande exposição na Casa Amarela, com o apoio da Câmara Municipal de Lourenço Marques.
Expõe no Centro Cultural da Beira, com o apoio do Jornal "Notícias da Beira" e Direcção Geral de Turismo. Aí conhece o artista e amigo José Pádua. Expõe na Casa Africana, em Lourenço Marques, e na
Exposição-leilão,a favor dos presos políticos. Faz as primeiras esculturas fundidas a bronze e alumínio.
1975Expõe em Quelimane. Participa na Exposição itinerante da Associação Africana. Vai trabalhar na fábrica de massas e bola- chas, cujo proprietário era o pai, onde usa as oficinas para fazer trabalho em ferro. Casa-se com Fátima Gomes. Independência de Moçambique. Colabora e expõe na Exposição de Arte Popular das Celebrações da Independência no Maputo - Moçambique. Exposição de Artistas Moçambicanos no Palácio Foz, em Lisboa, tendo apresentado uma obra tridimensional - óleo sobre tela e
plástico - " O Carneiro ", desaparecida. Faz as primeiras esculturas e montagens em material plástico, usando desperdícios de uma fabrica de plásticos
1976.Expõe na Galeria 33, em Johannesburg, A. Sul. Aprende a fazer as primeiras peças ao torno de
oleiro, na Olaria da Matola, perto de Lourenço Marques. Utiliza o então abandonado Núcleo de
Arte para atelier de pintura e cerâmica, com o colega e amigo Lobo Fernandes.
Executa desenhos para azulejos numa fabrica do Umbeluzi, próxima de Lço. Marques. Sai e visita a Nigéria, o Zaire, o Quénia, bem como Paris, tendo os primeiros contactos com obras originais de artistas de todo o mundo. Participa na Exposição do 1º Aniversario da Independência. Visita Londres, Munique, Zurique e Paris, novamente. É um dos criadores da COAPA- Centro Organizativo dos Artistas Plásticos e Artesãos, nascido das cinzas do extinto Núcleo de Arte. Nasce a sua filha, Solange.
1977Expõe em Paris na Galerie La Passerelle de S. Louis; Holliday Inn - Mbabane - Suazilândia;
participa em colectivas no Zimbabué, Japão, Espanha, Austrália, E.U.A., Polónia, Cuba, Suíça, RDA, Itália, Argélia, Nigéria e na do 2º Aniversario da Independência, onde apresenta a montagem em plástico pintado " A Tortura ". Visita Paris, Londres, Munique, Franco forte, Amesterdão, Bruxelas, Milão, Veneza, Genebra e Zurique. Em Lisboa, na Gravura, tem os primeiros contactos com aquela técnica.
1978Visita novamente Paris, Zurique e Genebra. Participa na 3ª Exposição da Independência, e na Exposição da Facim, onde apresenta a série de desenhos " O Voto "; nessa altura, vem a Portugal e não regressa ao seu país. Passa o Natal de 1978 já com a família em Lisboa, onde fixa residência.
1979 Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian para gravura, na Sociedade Cooperativa de Grava-
dores Portugueses - GRAVURA, e com
orientação técnica de João Hogan
1980
Executa painéis em azulejo na Fábrica Viúva
Lamego, aproveitando-se da experiência já
adquirida em Moçambique, ao criar painéis em
cerâmica de cariz africano, para a fabricação
em série. Tem os primeiros contactos com a faiança Portuguesa, pela qual se apaixona. Expõe na galeria O País.
1981Muda-se para Cascais e abre um atelier, inici- ando aí um trabalho de investigação com vista
a criar um tipo de cerâmica que se identifique com a zona, criando novas raízes para si. Essa cerâmica é já hoje bem conhecida. As peças são gravadas por ele e acabadas por colaboradores, dando-lhe, assim, o tempo livre suficiente para se dedicar à pintura e à escultura.
1982Visita Sevilha, onde tem os primeiros contactos com a técnica da corda seca, na cerâmica.
1983Expõe no Palácio de Turismo, em Sintra. Desloca-se a Granada, percorre todo o sul de
Espanha e, em Barcelona, conhece e torna-se grande amigo do ceramista catalão Antoni Cumella, de Granollers. Toma contacto com a cerâmica espanhola antiga e recente. "Arte do Fogo - Mar e Mistério" - Galeria do Palácio de Turismo - Sintra - Portugal. Nasce o seu filho, Hugo.
1984Volta a Granollers e viaja pelos Pirinéus Franceses, e todo o norte de Espanha. Executa cerâmicas com a técnica de Cumella em grés fino. Expõe em Braga, na Universidade, e na Galeria Mercado de Escravos, em Lagos.
1985Faz duas exposições simultâneas de cerâmica e pintura e escultura em Lagos, no Algarve -
- Armazém Regimental e Galeria Mercado de Escravos. Viaja por Espanha, França, Suíça e Itália.
Expõe em Genebra na Galeria Metropolis. Visita, pela primeira vez, o Arco 85,em Madrid.
1986Expõe na Galeria Berruet - Logroño - Espanha; Arco 86 - Feira Internacional de Arte Contem-
porânea - Madrid; Galeria STR - Funchal - Madeira; Galeria Ogiva - Óbidos. Viaja por Espanha e França.
1987Nasce o seu filho, Daniel. Expõe na Galeria Berruet, Logroño, Espanha; Art Jonction International, Feira de Arte de Nice, França; Lineart 87-Feira Internacional de Arte Contemporânea, em Gant, Bélgica e Galeria Pet- tersson, Tonsberg, Noruega. Viaja por Espanha, França e Bélgica.
1988Expõe no Waterside Center, Norfolk, Virginia, U.S.A.; Galleri Pettersson, Tonsberg, Noruega;
Galerie Place des Arts, Montpellier, França; Galeria Portimão, Portimão; Galeria Androx,
Vigo, Espanha; Art Jonction Internacional, Feira de Arte de Nice, França. Galeria do Casino do Estoril-10 Ceramistas. Visita Espanha, França, Bélgica, Holanda, Alemanha e pela primeira vez, os E.U.A. .
1989Exposição Obras de 1968 a 1978, Galeria Vira- gem - Ass. Artistas Plásticos de Cascais- Cascais; Art London 89, Feira Internacional de Arte Contemporânera, Londres; Galeria Roca , Marinha Grande; Art Expo 89, Feira Internacional de Arte Contemporânea, Nova Iorque, EUA; Tibury's Art Gallery, Sint-Truiden, Bélgica; Galeria Portimão, Portimão; Lineart 89- Feira Internacional de Arte Contemporânea e Galerie Gijzenrooi, Geldrop, Holanda.
1990Art Frankfurt, Frankfurt, Alemanha; Atelier 22, Antuérpia, Bélgica; Art Expo 90, Nova Iorque,
E.U.A.; Galeria Portimão, Portimão; Lineart 90, Gant, Bélgica; Galeria Beira- Vouga , S.Pedro do Sul, Portugal, Galeria Gijzenrooi - Geldrop - Holanda, Artexpo 91 - Los Angeles;
1991 Galeria 2062 - Lisboa, Art Frankfurt - Alemanha, Artexpo 91 - Nova Iorque, Museu de Gräo
Vasco - Viseu - Portugal, Museu de Francisco Tavares Proença Júnior - Castelo Branco - - Portugal, Galeria Portimão - Portimão - - Portugal, Washer Gallery - Bruxelas, Galeria L' ombre de Château - Bolland - Bélgica, Lineart 91 - Gant - Bélgica, Galeria Gijzen- rooi - Geldrop - Holanda, Galeria Atelier 22 - - Antuérpia - Bélgica, Art expo - Los Angeles, Galerie du Château Motin - Hannut - Belgica; Galerie Guller - Marche en Famenne -Belgica; Galerie L'art du Temps -- Verviers - Belgica, Accent On Art Gallery - W. Hollywood -CA- USA, Galeria Callejon de La Parra - Cartagena - Espanha; Galeria do Casino do
Estoril - Pintores e Escultores de Moçambique; Galeria Moira - Exposição comemorativa da Independência de Moçambique. Bienal Soto Galo - Logroño - Espanha; 1992 Fundação - Museu Dionisio Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro - Àgueda; SAF 92- Estocolmo - Suécia; Galeria 2062 - Lisboa;
Artexpo 92 - Nova Iorque - EUA; Galeria Androx - Vigo - Espanha; Europart 92 - Genebra - Suiça;
Galeria Portimão - Portimão; Galerie L'art du Temps -Verviers - Bélgica; Museu de Aveiro - Aveiro;
Galerie Raiman - Knokke - Bélgica; Lineart 92 - Gant - Bélgica; Art - Los Angeles - Los Angeles - EUA;
Bienal de Escultura Taurina - Soto Galo - Logroño - Espanha;
1993 Galeria Loios - Porto; Art - Miami - Miami - EUA; Vilamoura Hotel - Carlos Pierre; Museu Dr. Santos Rocha - Figueira da Foz; Museu Regional de Sintra - Sintra; Andrès Art Gallery - Holanda;
Art Fiera 93 - Bolonha - Itália; Europ'art 93 - Genebra - Suiça; FAC 93 - Coimbra - Portugal; Art Jonction 93 - Nice - França; Art Dusseldorf - Alemanha; Lineart 93 - Gant - Bélgica; ART Hamburg - Alemanha;
1994Art - Miami - Miami - EUA; Europ’art 94 - Genebra - Suíça; Art Jonction 94 - Cannes - França;
Lineart 94 - Gent - Bélgica; Galeria Berruet - Logroño - Espanha; Art LA 94 - Los Angeles - EUA;
1995Art - Miami 95 - Miami - EUA; Saga 95 - Paris; Lineart 95 - Gent - Bélgica;
1996 Art Miami 96 - Miami - Eua; Europ'art 96 - Genebra - Suiça; Art Jonction 96 - Cannes - França;
Lineart 96 - Gent - Bélgica; Galeria Belo Belo - Braga ; Galeria Jn - Galeria de Arte Virtual; Galeria Belo Belo - Braga; Art La 96 - Los Angeles - EUA.
1997Art - Miami 97 - Miami - EUA; A Galeria - Sintra; Lineart 97 - Gent - Bélgica; Europ'art 97 - Genebra - Suiça; Galeria de Arte L.C.R. - Arte Lusófona - Sintra Art La 97 - Los Angeles - EUA.
1998Art - Miami 98 - Miami - EUA; Europ'art 98 - Genebra - Suiça; Artexpo 98 - Nova Iorque - EUA;
Lineart 98 - Gent - Bélgica; Art La 98 - Los Angeles - EUA.
1999.
Art - Miami 99 - Miami - EUA; Europ'art 99 - Genebra - Suiça;
Artexpo 99 - Nova Iorque - EUA;
2000
Europ'art 2000 - Genebra - Suiça;
Artexpo 2001 - Nova Iorque - EUA;
Lineart 2001 - Gent - Bélgica;
2001
Art - Miami 2001 - Miami - EUA;
Artexpo 2001 - Nova Iorque - EUA;
Espaço Lóios - Porto;
Lineart 2001 - Gent - Bélgica;
Art La 2001 - Los Angeles - EUA.
Ao longo destes anos, participou em mais de
quinhentas exposições colectivas em todo o mundo.